Psicóloga Márcia Nogueira
© 2017

Rua Augusta, 2709 - Cerqueira César - São Paulo/SP

Cel e Whatsapp: (11) 96953-4852

Please reload

Posts Recentes

A RELAÇÃO DA HIPNOSE COM A PSICOLOGIA

June 30, 2017

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

A RELAÇÃO DA HIPNOSE COM A PSICOLOGIA

June 30, 2017

A hipnose é, muitas vezes idealizada como um tema polêmico e fantasioso na história da psicologia e principalmente da psicanálise. Quem ouve falar em Freud, logo se pergunta sobre o hipnotismo.
O hipnotismo foi por muito tempo concebido como uma prática de charlatanismo, espiritualidade ou espetáculo circense, até finalmente ser reconhecido como um método científico de tratamento no século XX.

A hipnose tem seu início nos primórdios da humanidade, com os rituais xamânicos (conhecidos por alcançar estados de transe), também foi muito utilizada pelos antigos egípcios (2.000 ac). Como ciência, é possível especular que seu início se deu com o “Mesmerismo”, técnica desenvolvida pelo Médico alemão Franz Anton Mesmer (1734–1815).  

 
Mesmer acreditava que existia uma força universal invisível, que poderia ser transformada numa força magnética, passando um fluído do universo para o hipnotizador e do hipnotizador para as vias energéticas do ser humano (denominada força do magnetismo animal) e curando-o de suas enfermidades. É possível encontrar mais informações sobre o Mesmerismo no filme “Dr. Mesmer – O Feiticeiro “ (1994).     

 
 Cena do filme: Dr. Mesmer – O Feiticeiro

 
Mesmer foi muito criticado pela Sociedade Real de Medicina, e visto por muitos como charlatão e anticientífico. Porém, o termo Hipnotismo como conhecido atualmente foi cunhado anos depois em 1843, pelo Médico cirurgião escocês James Braid (1795- 1860), que inspirado por Mesmer e sua teoria, passou a estudar e explorar de forma científica a teoria de Mesmer, porém Braid não chegou a desenvolver uma teoria detalhada sobre o Hipnotismo, mas também é considerado por muitos, o pai do hipnotismo/hipnose. Braid escolheu esse nome, baseado numa referência a Hipnos (Deus grego do sono), pois acreditava que a técnica realizada era muito parecida com um “sono artificial”.    
 
Vários outros médicos foram influenciados pelo Mesmerismo ou Magnetismo animal, e acabaram desenvolvendo técnicas semelhantes ou parecidas com a de Mesmer. No entanto, a relação entre a hipnose e a psicologia, só tem seu marco histórico com Freud e suas descobertas, após seu período de estudos com Charcot em Paris no Hospital de la Salpêtriére em (1885- 1886). Essa relação pode ser compreendida como um processo que se iniciou com um certo entusiasmo, porém terminou em abandono.  
 
Essa trajetória, entre a hipnose e a psicologia, pode ser reconhecida em Freud, com o método terapêutico inicialmente usado para o tratamento dos pacientes histéricos, que ao longo do tempo, com o avanço das suas experiências e observação de seus pacientes, acabou por considerar o estado de hipnose como uma “ferramenta” não muito efetiva e confiável em termos de terapêutica psicológica. Foi por essa insatisfação de Freud, com o método da hipnose, que ele acabou por criar à psicanálise. 

Mas, afinal o que é o hipnotismo ou a hipnose? Segundo Freud, “o fator principal do hipnotismo consiste na possibilidade de colocar uma pessoa num estado especial da mente (ou, mais precisamente, do cérebro), que se assemelha ao sono. ” (Edição Standard Brasileira, Vol I, p. 149, IMAGO Editora, 1976) Estado conhecido como Hipnose.   


Freud considerava alguns fatores importantes na maneira de como o hipnotismo era conduzido:
(1) pela influência psíquica que uma pessoa exerce sobre outra (sugestão)      
(2) pela influência (fisiológica) de determinados métodos (fixação), por imãs, pela mão do hipnotizador, etc., 
(3) pela auto influência (autossugestão).   
 
E também, pela condição da pessoa a ser hipnotizada, como por exemplo, ter como regra não impor ao paciente o tratamento pela hipnose, pois uma tentativa forçada poderia gerar uma ansiedade na pessoa a ser hipnotizada.  A ideia, era evitar qualquer tipo de resistência perante a hipnose, para que a aplicação fosse bem-sucedida. Indicava-se que a pessoa a passar por hipnose, acompanhasse antes, o hipnotismo de outra pessoa, para assim, ir se familiarizando psiquicamente com a ideia de ser hipnotizada.

Atualmente, a hipnose ainda é usada e é considerada um método de tratamento psicoterápico e científico. “O psicólogo pode usar como um método auxiliar de trabalho, quando se fizer necessário, dentro dos padrões éticos, garantidos a segurança e o bem-estar da pessoa atendida. ” (art. 1º, RESOLUÇÃO CFP Nº 023/2007).      


 


 

Hipnose, psicologia, psicoterapia, psicanálise, maternidade

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle