Psicóloga Márcia Nogueira
© 2017

Rua Augusta, 2709 - Cerqueira César - São Paulo/SP

Cel e Whatsapp: (11) 96953-4852

Please reload

Posts Recentes

A RELAÇÃO DA HIPNOSE COM A PSICOLOGIA

June 30, 2017

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Reflexões da maternidade na adolescência

A maternidade está socialmente relacionada a mulher que atingiu um estágio de amadurecimento físico e emocional. Ocorrem com a gravidez/maternidade mudanças psicológicas e alterações corporais. Mas, e se a maternidade ocorre na adolescência? Quais as implicações a nível de amadurecimento emocional de ser uma mãe adolescente?

 

 

Atualmente a maternidade está relacionada no imaginário social à mulher adulta. Ser mãe é compreendido como uma nova posição social que abrange ideias de amadurecimento físico, emocional e social, que capacitam a mulher a assumir a responsabilidade social pelos cuidados de uma nova pessoa, além de continuar a responder às suas próprias necessidades.

 

Nesse sentido, as atribuições sociais que a mulher assume ao tornar-se mãe ficam reservadas de modo geral, apenas àquela que atingiu um estágio de amadurecimento físico e emocional adequado para dar conta das demandas inerentes à maternidade. De acordo com (Piccinini, Gomes, Narde & Lopes, 2008), a maternidade é um processo que se inicia muito antes da concepção e inclui as primeiras relações e identificações que a mulher faz ao longo de todo o processo de amadurecimento, passando pela atividade lúcida, infantil, adolescência, o desejo de ter filhos e finalmente a própria gravidez. Ainda segundo os autores, há aspectos transgeracionais e culturais que determinam expectativas sociais e grupais quanto ao que é esperado das meninas e mulheres em determinada sociedade. Como por exemplo, posso mencionar a ideia clássica e errônea de que menina deve gostar de rosa e menino deve gostar de azul, ou menina brinca de boneca e meninos brincam de carrinho, ideias sociais que definem o que esperar de uma mulher mais velha e de uma adolescente.

 

Muitas mudanças ocorrem antes da mulher entrar em contato com a maternidade, antes elas passam por alterações corporais e próprias da gravidez, até que ocorram as mudanças psicológicas, e com o tempo vão se familiarizando ou não com a ideia de ser mãe. Quando a maternidade ocorre na adolescência, além dessas alterações, as jovens possuem demandas próprias deste período de amadurecimento, caracterizado por ampla ambivalência de sentimentos, natural de uma vida adolescente. A adolescência também abarca mudanças significativas no processo de amadurecimento individual, está relacionada no imaginário social a ideias de dependência, imaturidade emocional e social, com algum ou nenhum grau de independência sobre suas ações. Por isso, ser mãe na adolescência pode ser muito complicado, pois as adolescentes estão vivenciando um momento de construção de identidade, aceitação de papéis sociais e estão aprendendo a lidar com esses sentimentos ambivalentes.

 

Nessa ótica, é possível refletir sobre a questão da ambivalência de sentimentos que um bebê pode demandar de uma mãe, afinal, a mãe torna-se responsável pelas novas atribuições, por atender as necessidades e pela vida emocional desse bebê. Para ser mãe, as mulheres necessitam mais do que estarem aptas fisicamente, elas necessitam de recursos emocionais que favoreçam a elas, lidar com os aspectos ambivalentes de uma relação mãe-bebê, de uma relação de amor e ódio, pois a maternidade não é feita somente de bons momentos, mas também de momentos dolorosos que para muitas mulheres podem ser considerados como difíceis ou que demandam muito de uma única pessoa.

 

Essas implicações, não tornam a maternidade uma possibilidade negativa ou impossível para que uma adolescente ocupe esse novo papel que lhe é direcionado, mas é extremamente necessário que essas jovens tenham o apoio das suas famílias, das suas escolas e muitas vezes de um assistente social ou psicoterapeuta (profissionais da saúde), que acompanhem de perto o amadurecimento adequado da jovem mãe e da criança que ela cuida.

 

Ter um olhar social diferenciado para essa ocorrência é uma ação importante, pois permite um planejamento social mais eficiente de ações voltadas para a saúde da mulher, não restringindo o acesso somente às informações de tipos preventivos, como frequentemente se observa na televisão ou posto de saúde. Estimulando as adolescentes a falarem do seu próprio corpo, nos ambientes familiares e escolares, seria essa, uma possível tomada de consciência do que é ser mãe e das dificuldades encontradas quando esta ocorre nesse período de vida.  


Imagem retirada de: <ahref="http://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/pessoas">Pessoas fotografia desenhado por Jannoon028 - Freepik.com</a>

 

Referências
Piccinini, C. A., Gomes, A. G., Narde, T., Lopes, R.S., (2008, janeiro/março). Gestação e a Constituição da Maternidade. Psicologia em Estudo, 3.2008, Retirado em 25 de junho de 2017, de: http://www.scielo.br/pdf/pe/v13n1/v13n1a07.pdf

Hipnose, psicologia, psicoterapia, psicanálise, maternidade

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle